Difícil de entender.
Simples de tratar. *

Faça sua pré-avaliação agora **
**Esta pré-avaliação é recomendada apenas como um auxílio à anamnese de um médico, e não apresenta qualquer finalidade diagnóstica. 12

Ao final do questionário compartilhe com o médico para avaliação.

O que a pessoa com hipotireoidismo sente?

O mau funcionamento da tireoide pode mexer com a rotina e produtividade do paciente, além de abalar sua autoestima.

 

A doença afeta todo o organismo, interferindo nos batimentos cardíacos, no ritmo do intestino, no raciocínio, no humor e no ciclo menstrual das mulheres. 1

 

Os sinais e sintomas 1 mais comuns são: dificuldade para engravidar e perder peso, fadiga, sonolência, queda dos cabelos, unhas quebradiças, aumento das taxas de colesterol, intolerância ao frio e ressecamento da pele. 1

O que é
hipotireoidismo?

O hipotireoidismo é uma disfunção que pode estar relacionada à glândula da tireoide, caracterizada pela queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), responsáveis pelo funcionamento de diversos órgãos. 3

Quem pode ter
hipotireoidismo?

O hipotireoidismo é mais comum em mulheres, mas pode acometer qualquer pessoa, independente do gênero ou idade. Até os recém-nascidos podem ser afetados - neste caso, chamamos a doença de "hipotireoidismo congênito". 3

18 milhões

é o número estimado de brasileiros que sofrem de hipotireoidismo. 4'5

5 a 10

vezes mais frequente nas mulheres. 2

10%

das mulheres acima de 40 anos são afetadas. 1

A tireoide é uma glândula que fica no pescoço, logo abaixo daquela saliência popularmente conhecida como “pomo-de-adão”

Faça sua pré-avaliação agora **

A importância de tratar
o hipotireoidismo

Além disso, outros sinais e sintomas 3 recorrentes do hipotireoidismo são sonolência, cansaço 2, alterações no humor, pele seca, pés e mãos gelados, prisão de ventre e anemia.

 

Em um primeiro momento, pode parecer uma doença que não apresenta riscos maiores à saúde, mas o que muitas pessoas não sabem é que o hipotireoidismo, quando não tratado, pode gerar: 7

Hipertensão

Hipertensão 8

Problemas cardiovasculares

Problemas cardiovasculares 8

Elevação de colesterol e/ou trigliceridios

Elevação de colesterol e/ou trigliceridios 8

Infertilidade

Infertilidade 8

Depressão

Depressão 8

Como é feito o
diagnóstico?

Recomenda-se o acompanhamento de um médico para identificar e tratar as deficiências. Ainda assim, exames laboratoriais que permitem a identificação de alterações hormonais podem ser solicitados por outros médicos, já que que o diagnóstico da doença é feito por exames de sangue – que analisa o TSH, hormônio estimulante da tireóide, e o T4 livre – e, em certos casos, ultrassom da região afetada.

Faça sua pré-avaliação agora **

E o tratamento?

O acompanhamento da doença é de longa duração e consiste na reposição hormonal da tiroxina (T4), feita por meio de comprimidos de reposição sintética do hormônio. Todavia, a eficácia da terapia oral depende, principalmente de dois fatores: o jejum de uma hora após a ingestão do comprimido e o retorno periódico do paciente ao médico para avaliação e, caso necessário, ajuste de dose. 7'9

 

Atualmente, 25% das pessoas diagnosticadas com hipotireoidismo não realizam o tratamento da forma adequada ou simplesmente não tratam a doença. Este percentual, segundo o Instituto Minds4Health, é mais elevado em classes socioeconomicamente mais baixas, chegando a 45% de pessoas pertencentes a classe C e 50% as classes D/E. 10

Quais as possíveis
causas?

O hipotireoidismo pode ser causado pela Tireoidite de Hashimoto (doença autoimune em que o organismo fabrica anticorpos contra as células da tireoide), deficiência de iodo no organismo, cirurgias, radioterapia, resistência ao hormônio TSH7 11. É uma doença relativamente comum, que afeta 8% a 12% dos brasileiros desde as formas mais leves até as mais graves. 11

Referências

1. Koehler VF, Reincke M, Spitzweg C. Hypothyreose – wann und wie behandeln? [Hypothyroidism-when and how to treat?] [published correction appears in Internist (Berl).2018 Oct 25].Internist (Berl).2018;59(7):644-653.

2. Taylor PN, Albrecht D, Scholz A, et al. Global epidemiology of hyperthyroidism and hypothyroidism. Nat Rev Endocrinol. 2018;14(5):301-316

3. Maciel, Léa Maria Zanini et al . Hipotireoidismo congênito: recomendações do Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo,v.57,n.3, p.184-192, Apr 2013.

4. Bensenor IM. Thyroid disorders in Brazil: the contribution of the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil). Braz J Med Biol Res. 2019;52(2):e8417. Published 2019 Feb 14.

5. Site IBGE. https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao. Acesso em Novembro/20.

6. Fitzpatrick TH, Siccardi MA. Anatomy, Head and Neck, Adam's Apple. [Updated 2018 Dec 6]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan.